Um país na contramão – Pesquisa & Desenvolvimento

Um país na contramão – Pesquisa & Desenvolvimento

Um país na contramão em Pesquisa & Desenvolvimento

 

Como é nos países desenvolvidos:
Grandes investimentos e incentivo à inovação, pesquisa e produção de patentes. Anualmente China, Japão e Coréia do Sul, juntos, registram anualmente cerca de 50 mil patentes internacionais. Foco das pesquisas em energia, tecnologias de informação e comunicação, veículos autodirigidos, saúde, infraestrutura. Grande incentivo para a redução de emissão de poluentes, veículos ecológicos e fontes alternativas de energia como a eólica e solar.
Caminham céleres para carros elétricos e autodirigidos. Depois que a Toyota apresentou, em 2012, o primeiro veículo autodirigido, em 2015, a GM, montadora americana, completou sem problemas uma viagem de San Francisco a Nova York, um percurso 3.500 milhas.
Disponibilizam tecnologias de informação e comunicação e energia cada vez mais baratas para aumentar o poder de consumo da sociedade e viabilizar o empreendedorismo em outras áreas.

 

E como é no Brasil:
Praticamente um pária tecnológico, o Brasil registra anualmente menos de 500 patentes internacionais e, por políticas míopes e deficiências em sua infraestrutura, não consegue mais acompanhar a evolução mundial sem adotar os avanços tecnológicos conquistados por outros países. Alguns exemplos de nosso atraso: 

Em 2015, enquanto a obrigatoriedade do uso de simuladores em autoescolas é estabelecida no Brasil, a Mercedes Benz alemã decide não comercializar no Brasil seus carros da série S equipados com o sistema  Inteligent Drive, autodirigidos, pela precariedade dos mapas nos GPS e pela baixa qualidade e cobertura da banda larga

A FCC (Comissão Federal de Comunicações - entidade americana equivalente à Anatel) estabelece que a velocidade real mínima para ser considerado “banda larga” é 25Mbps e, sendo assim, praticamente, não temos mais “banda larga”no Brasil mesmo sendo uma das mais caras do mundo.

Embora o país esteja passando por séria crise energética (tendo, inclusive, reativado termoelétricas), carros híbridos ou elétricos, energia solar e eólica, ecologicamente corretos, recebem pouco ou nenhum apoio governamental, pois poderiam colocar em risco o futuro da indústria petrolífera brasileira. 

 

A Economia existe para servir a Sociedade, não o contrário!

E-MAILiT

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>